quarta-feira, 19 de novembro de 2008

3 meses em Uppsala parte 1 (Mês de Julho/Agosto)

Hej Hej mina vänner (Olá meus amigos)!



Uma coisa que já devia ter feito há muito, muito tempo é obviamente escrever um blog sobre as minhas aventuras aqui na Sverige, mas eu não tinho disposição nem tempo para o fazer. Só agora em Novembro é que consegui ganhar força e começar a escrever alguma coisa. Sendo assim, vou tentar descrever estes 3 meses de aventuras

Veremos então por onde começar ... Eu cheguei cá dia 29 de Julho e estava um sol fantástico! Eu não estava á espera que estivesse tão quente na Suécia. Estava quase tão quente como em Portugal nesse dia. O meu voo estava programado para ás 09:00, mas como houve atraso cheguei ao Aeroporto de Arlanda ás 15:00. A ultíma coisa que eu me lembro de ver em Portugal foram as lágrimas da minha mãe e irmã ... nunca tinha feito algo assim e é a primeira vez que viajo por mim própria e fico tão longe de casa durante tanto tempo (o máximo de tempo que fiquei fora de casa sem os meus pais foram 2 semanas e eu estava sempre acompanhada pela minha irmã). Eu também chorei, pois elas são pessoas muito importantes para mim e eu não conseguia imaginar viver sem o apoio delas ... e do meu pai também como é obvio. Eu por vezes penso naquilo que eles iriam dizer se estivessem aqui comigo e conheçessem as pessoas que conheço, se vissem as mesmas coisas que eu ...

A minha primeira preocupação quando cheguei ao Aeroporto de Arlanda foi obviamente a minha bagagem e depois transporte para chegar a Uppsala a tempo de ir buscar as chaves do "corridor" (aqui as residências de estudantes chamam-se "corridor"). Eu estava super stressada pois a "Housing Office" (empresa responsável pelas residências) fechava as 16:00 e eu não tinha tempo suficiente para chegar á "Studentstaden" a tempo se apanhasse um comboio ou autocarro, por isso apanhei um táxi e lá consegui ter as minhas chavinhas. Eu estou inteiramente grata ao taxista, pois teve a bondade de me levar á minha residência de graça e até ajudou na bagagem! Ele realmente foi fabuloso!

Essa foi a minha primeira aventura cá. Eu estava agora instalada e muito contente com o meu quarto. Na altura era um quarto cheio de luz e abafado ... agora é um quarto com luz artificial e aquecido pelo aqueçedor. A temperatura começou a baixar desde finais de Setembro/ Inícios de Outubro e em finais de Outubro o sol começou a por-se mais cedo ... mas continuando com as minhas aventuras. Depois de meter as minhas coisas no meu quarto eu fui dar uma volta ás redondezas de Rackarbergsgatan (rua onde moro). Descobri o local onde ia ter as minhas aulas e fiquei muito contente de ser bem perto da minha casa. Uma coisa que eu achei estranha no inicio foi o cemitério estar tão perto do local onde ia ter aulas, mas com o tempo habituei-me. Com o tempo também habituei a chamar esse tal sítio de "English Park" ou "Engelska Park". Nos dias seguintes eu sentia-me sozinha, pois não estava mais ninguém no corridor. Todos estavam de férias! e isso deixou-me um pouco em baixo. No final dessa semana eu registei-me para as aulas de sueco e foi aí que conheçi os primeiros alunos estrangeiros. Sentia-me tão feliz por estar a falar com alguém. Finalmente alguém na mesma situação que eu!. A partir daí, já não me senti tão sozinha, pois já sabia onde encontrar os alunos estrangeiros e sabia que podia sempre falar com eles, sem dizer que tinha os trabalhos de casa de sueco para fazer.

Nas primeiras semanas em que estive cá lembro-me bem de passar noites a jogar Zelda e Alladin, os únicos jogos que tinha no computador para me entreter. Eu não tinha acesso á internet e a uníca forma de me manter em contacto com a minha família era por telefone. No inicío usava o meu telemóvel de Portugal e na 2a semana comecei a comprar cartões para cabines telefónicas. Eu não tinha acesso á internet, mas por vezes lá ia á Biblioteca arranjar uma horinha para falar com os meus amigos e conhecidos. A primeira lição que aprendi aqui em Uppsala foi precisamente apreciar mais a realidade que o mundo da internet. Eu em Portugal não valorizava tanto as pessoas que conheço como estou agora a valorizar as pessoas que conheço aqui. As pessoas na vida real nem sempre são assim tão más, e como em tudo, há pessoas com quem se dá melhor e outras com quem se dá pior, mas acaba-se sempre por encontrar boas pessoas.

As primeiras 3 semanas foram sem dúvida as mais difíceis de superar: não tinha ninguém no meu corridor, só falava com os meus colegas das aulas de sueco no intervalo, passava os dias basicamente a passear de um lado para o outro do centro de Uppsala a ver se encontrava alguém conhecido e para não ficar deprimida em casa e o tempo estava um pouco inconstante (chovia e 5 minutos depois fazia sol e depois voltava a chover outra vez). Foi nessa altura que conheci os meus 4 melhores amigos: Gunnar, Erik, David e a Selma. Só mais tarde é que conheci o meu outro amigo Lei ... mas eu já conto essa parte.

Eu conheçi a Selma durante o intervalo das aulas de sueco. Eu ia a buscar um café quando a vi e apresentei-me. Desde então nós começamos a falar mais uma com a outra e tornamo-nos amigas. Os rapazes conheçi-os de maneira diferente. Um dia estava eu a dar as minhas voltas pelo centro de Uppsala quando encontrei a minha colega Yuko. Ela estava com o David e nós os os 3 decidimos ir a um sitío beber café ou chá. Conversamos e quando a Yuko teve de voltar ao corridor dela o David perguntou-me se queria ir com ele á casa do Erik (que na altura morava na mesma rua que eu). Eu como estava sozinha e não tinha hórarios nem obrigações (só fazer os trabalhos de sueco) decidi ir com ele, mesmo que parte de mim estava um pouco assustada com o que poderia encontrar (podiam ser todos uns tarados ou pervertidos). Foi então que conheci o Erik, o Gunnar e o Markus. Eles estavam todos a jogar jogos de computador. Nos primeiros minutos eu achei estranho ser a única rapariga no quarto. Em Portugal nunca estive sozinha com rapazes, era sempre eu mais outra rapariga, mas pela primeira vez estava sozinha com 4 rapazes! e foi aqui na Suécia que pela primeira arranjei melhores amigos do sexo oposto. Minutos depois comecei a sentir mais confortável com eles. Em geral achei eles todos simpáticos, , mas gente simpática. Eu só vi o Markus nesse dia, mas em princípio vou ter a chance de o conhecer melhor mais tarde. Eu não comecei imediatamente a passar tempo com eles, só depois de algumas semanas é que comecei a passar mais tempo com eles.

Enquanto não passava tempo com os rapazes eu falava mais com os meus colegas de sueco e um dia algo um pouco estranho aconteçeu. Numa das aulas de sueco eu sentei-me ao pé de um rapaz chamado Matthias. Ele era alemão e estudava filosofia. Estavamos todos muito bem a fazer exercícios na aula e assim do nada o Matthias aproximou-se um pouco mais de mim e disse "ichliebedich" ("ich liebe dich" que quer dizer "amo-te" em alemão). Ele disse aquilo de uma forma tão rápida que no inicío eu não compreendi. Quando ele me disse aquilo eu apenas pode responder com um "tu podes falar comigo em alemão, tens é que falar mais devagar para eu poder compreender alguma coisa, pois o meu alemão é limitado". No intervalo eu fui falar com ele para esclareçer melhor aquilo que ele me queria dizer durante a aula e ele disse que aquilo não passava de uma piada e que na Alemanha era normal fazer esse tipo de piadas (dizer "ich liebe dich" rápido a uma pessoa qualquer). Durante esse dia essa "piada" não me afectou, mas dias depois começei a perguntar a mim mesma se aquilo seria mesmo uma piada ou se ele gostava mesmo de mim. Eu ainda questiono-me se ele sentia alguma coisa por mim ou não. Ele pareçia ser alguém muito interessante e eu gosto de filosofia e ele até que não era feio. Essa sensação de que ele gostava de mim fez-me ficar mais e mais interessada nele. Nas semanas seguintes eu começei a sentar-me mais vezes ao pé dele para pelo menos tentar conheçe-lo melhor, adicionei-o no Facebook (um site estilo Hi5 muito usado aqui na Suécia e pelos vistos no resto da Europa, excepto Portugal onde se usa mais o Hi5), tentei adiciona-lo no MSN e até dei-lhe o meu número de telefone mas não houve qualquer feedback. Como não houve feedback isso fez-me perder esperanças e desisti de o tentar contactar.

O resto mês de Agosto reservou coisas boas. Um dia passei uma tarde com o Erik e o Gunnar a ver episódios do South Park e clips do Mad Tv. Eu não via South Park e Mad Tv há "n" tempo e voltar a ver aquilo foi quase voltar a ter 15/16 anos (altura em que eu começei a ver esses programas). Nas últimas duas semanas do mês de Agosto foram programadas várias actividades para os estudantes estrangeiros cá em Uppsala e as actividades que me marcaram mais foram obviamente o "Softball" (género de Basebol) e uma "Pub Crawl" (basicamente uma "Pub Crawl" é uma visita ás várias "Nations" e os seus Pubs ... e eu tentarei explicar o que é uma "Nation") mal sucessida devido á chuva. No dia do Softball conheçi mais alunos estrangeiros que não se inscreveram no curso de sueco. O bom desse dia foi que estava a fazer sol e o jogo correu bem. O Softball fez-me lembrar das colónias de férias onde ia durante o verão, pois em algumas nós jogamos Softball e eu adorava o jogo. Dias depois foi a Pub Crawl. Eu estava indecisa em ir ou não ir á Pub Crawl, mas a Selma lá me convenceu nesse dia a juntar-me á Pub Crawl e á "International Gasque" (Um jantar formal típico da Suécia). Voltei a ver pessoas que eu conheci no "Softball", mas a chuva realmente estragou o evento e quando estávamos a caminho da 3a Nation decidi voltar para casa, pois eu não gosto muito de estar ensopada.

Nos finais de Agosto, se me estou a lembrar bem, outra coisa engraçada aconteçeu. Estava muito bem a falar com a Selma sobre naquilo que deviamos fazer depois das aulas de sueco quando a mãe do Gunnar veio ter comigo e disse "Olá Rita, sou eu, a mãe do Gunnar. Lembraste de mim?". Eu só a tinha visto uma vez, por isso não a reconheci logo de inicio. Depois de uma simpática conversa ela convidou a mim e a Selma para irmos a um concerto com ela e o Gunnar. Eu era para dizer não, mas lá decidi em ir com eles. A Selma infelizmente não conseguiu ir ao concerto conosco, por isso foi apenas eu, o Gunnar e a Maria. O concerto foi bom, bem mais confortável que aqueles concertos cheios de pessoas onde não se pode mover um milímetro ou se perde " o tal lugar com a vista fantástica". A banda tocou clássicos do rock e do metal e mesmo não sendo uma "metal head" eu gostei. No fim do concerto fomos ver as coisas que eles vendiam lá e tinham albums de imensas bandas metal que obviamente não conhecia (O Gunnar conheci-as todas ... mas será de estranhar? ele adora música metal). Então, foi desta forma que o mês de Agosto terminou ... com um bom concerto.

(Contínua ...)